A proibição de amar

Thomas Mann decifrou a mensagem da modernidade no seu livro Doutor Fausto. Adrian Leverkhün, que é Nietzsche, que é Fausto, foi proibido por Mefistófeles para duas coisas: amar quem quer fosse e curar-se da doença sexualmente transmissível que adquiriu no intercurso com a misteriosa mulher mandada pelo Demo, Esmeralda. 

A primeira proibição tem a validade de um mandamento e espelha aquilo que vivemos sob o que João Paulo II chamou de cultura de morte. [A cultura de morte é a antinomia da ética cristã, a sua negação.

Hoje os proibidos de amar são todos os que praticam aborto e eutanásia, monstruosidades que se elevaram à prática de políticas de saúde pública.

Os praticantes dessa lástima são a encarnação da proibição de amar os próprios descendentes e ascendentes. Uma ruptura com a mais elevada ética do cristianismo].

O anti mandamento

Na verdade, um anti mandamento: a negação do primeiro artigo das Tábuas da Lei: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. A modernidade, desde a Reforma, tem cultivado a negação.

A própria ruptura com a Igreja assume esse tom de rebelião contra Deus. Não escapa a Thomas Mann a trajetória do mal que se instalou na Europa desde Lutero.

Ele, como luterano e seguidor de Goethe, como ninguém viveu essa cultura da negação, que se condença integralmente no esteticismo.

Fernando Bayón, o espanhol que fez a melhor resenha que conheço da obra de Thomas Mann, assim intitulou seu precioso livro: La prohibición del Amor – Sujeto, cultura y forma artística en Thomas Mann.

Bayón expôs a fórmula correta de se ler e compreender o romancista alemão. Toda sua obra foi a tentativa de decifrar o mito faustico que engolfou não apenas a Alemanha, mas a Europa e o mundo todo. É a própria modernidade.

A maldição dos tempos modernos

É uma perspectiva definitiva para a leitura do Doutor Fausto. Thomas Mann fez com este livro seu acerto de contas com Goethe e Nietzsche de uma maneira artística, mas sem fazer concessão. Mais não precisou dizer para descrever todo o drama metafísico que redundou nas grandes tragédias do século XX.

A proibição de amar é a maldição dos tempos modernos, que se opõem frontalmente aos tempos da chamada Idade Média.

Não há dúvida de que a origem mestiça de Thomas Mann foi o fator decisivo para a sua briga com os nazistas e o elemento determinante para ele desconfiar da tal germanidade. O elemento perverso que engendrou o racismo genocida de Hitler.

Sem o brasileiríssimo Silva no nome da mãe teria sido mais difícil a ele denunciar essa tolice que ele mesmo defendeu no livro Considerações de um Apolítico. O elemento moreno e tropical que carregava consigo contribuiu para que se elevasse acima dos preconceitos.

proibição

Não curar-se da doença sexualmente transmissível é também algo da maior relevância. Ao ascetismo cristão colocou-se o hedonismo da modernidade, que com ele sacrificou também o casamento monogâmico. Casamentos sucessivos de divorciados são uma forma de poligamia.

Na verdade, a própria sexualidade tornou-se enfermiça, ela é a doença, a obsessão dos tempos. Daí porque a homossexualidade deixou de ser prática restrita e reservada para adquirir também o status de movimento de massa politicamente organizado.

Não se pode perder de vista que o andrógino é a expressão simbólica mais completa para retratar Mefistófeles.

Misoginia, homossexualidade e poligamia formam o trinômio determinante do sexo como a doença moderna por excelência. Um determina o outro, pressupõe o outro e não vive sem o outro. A ruptura do sacramento engendra as forma degenerada da sexualidade humana.

Nivaldo Cordeiro

José Nivaldo Gomes Cordeiro é economista e mestre em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas
Leia mais:
Fechar