Questão de Tempo, uma deliciosa comédia romântica

Questão de Tempo (2013) é mais uma obra inteligente e perspicaz do diretor Richard Curtis. No elenco Rachel McAdams, Bill Nighy e Domhnall Gleeson, interpretando o jovem Tim, personagem principal da trama. Questão de Tempo me foi uma grata surpresa. 

Gosto muito de comédias românticas, mas muitas delas perderam a mão em algum momento. Entretanto quando uma delas consegue acertar, sai um filme como esse.

A fotografia é belíssima, a musica é tocante, o roteiro é impar, impressionante, fechado, sem brechas bobas, o que quando ocorre dá a idéia de ter sido produzido às pressas.

Questão de Tempo fala sobre um rapaz que tem a capacidade de voltar no tempo. O filme tem um roteiro fantástico. Fotografia e musica idem (acabei de falar isso né, estou me repetindo, mas é porque é verdade).

A peça consegue ultrapassar com a sua idéia aparentemente meio bobinha o próprio filme. E se tivéssemos a capacidade de voltar no tempo e arrumar algumas coisas que fizemos?

Será que não seria melhor se não tivéssemos conhecido tal ou qual pessoa; ou quem sabe se não tivéssemos trabalhado em tal lugar, ou ido àquela festa?

E se pudéssemos voltar e rever alguém que já se foi? Ou se pudéssemos falar eu te amo num momento que não volta mais e perdemos? Simplesmente perdemos!

Questão de tempo consegue ser um daqueles grandes filmes que assistimos sem referência alguma e quando o fazemos sabemos que nos deparamos com algo grande e não queremos perder esse momento de maneira alguma.

Questão de Tempo é estar na expectativa de que a todo o momento venha uma segunda chance

questão de tempo
Cena do filme Questão de Tempo

Imagine poder pedir sua esposa em casamento de 10 maneiras diferentes? Ou voltar quantas vezes quisesse a um dia que para nós foi perfeito e cada vez que se volta o dia perfeito vai ficando mais perfeito ainda?

Esse filme brinca com a ficção cientifica de maneira inteligente. Mas parece que o maior mérito é descobrir que cada dia normal da vida é uma grande viagem. Devemos curtir hoje e nos stressar menos.

Aliás, a cada dia que vivemos, ele pode perfeitamente ser o ultimo dia que passamos ao lado de pessoas tão especiais que amamos e muitas vezes perdemos o melhor do dia com as banalidades da própria vida.

Eu sou pregador e já preguei várias vezes que Jesus deu a sua vida por amor de nós. Dar a vida não é dar a morte, não é morrer por nós, mas dar a vida significa gastar tempo, ficar por perto de quem se ama.

Dar a vida é ouvir a queixa, dar o remédio na hora da dor de barriga, virar a noite com o bebê. Desestressar quando a mulher gasta 2 horas escolhendo uma roupa.

Passeando no shopping, ou como ocorreu esses dias, andando na 25 de março, de repente a minha filha maior nos relata que não encontrou nada, isso na 25 de março.

E se desse para ter uma segunda chance, não só pra endireitar um momento da vida, mas para curtir aquele que já se foi. E se não estivéssemos naquele lugar, àquela hora? Ou quem sabe o contrário: e se estivéssemos?

Questão de Tempo é uma grata surpresa e recomendo, com louvor.

Paulo Sérgio Lários

Paulo Sérgio é Presbitero, tecnico de informática e escritor
Leia mais:
Fechar