Firefly e Serenity no alcance de um click

A Internet tem sido um filão impressionante para quem gosta de cinema, como eu. Podemos assistir online, se estivermos com pressa de conferir e podemos baixar os filmes que gostaríamos de preservar em DVD, numa produção manual, que pode ser muito prazerosa.

Podemos fazer coletâneas de filmes e até de séries, as mais variadas. Uma das séries disponível é Firefly e Serenity. Com o bom uso do Shrink, podemos ainda botar mais de um filme num DVD.

Praticamente todos os filmes interessantes, já feitos, podem ser vistos, ou baixados.

Existem ainda listas e mais listas dos melhores filmes em todas as categorias; assim como podemos escolher os filmes do Oscar, desde o primeiro, até o atual.

Também podemos escolher entre Os Dez Melhores Filmes da Máfia, ou escolher entre os 100 Melhores Filmes de Todos os Tempos, como exemplo.

Bom, nessa brincadeira tenho descoberto filmes que nem sabia existir e as séries também. Esse post, é sobre uma série, daquelas que vão deixar imensas saudades, principalmente porque não tem continuação: refiro-me a Firefly e Serenity.

Uma outra série que vai deixar saudades imensas é Camelot, que contando a história do Rei Artur e os Cavaleiros da Fábula Redonda, de uma forma mais, muito mais adulta, já virou clássica e inesquecivel.

O maior defeito de Camelot era o seu personagem principal, o próprio Artur, ou melhor o ator que fazia o papel de Artur.

Morgana, uma personagem marcante

Firefly e Serenity

De tantos personagens marcantes de Camelot, sem duvida absolutamente alguma, Merlin e Morgana se destacam a anos-luz de todo o restante do elenco.

A Morgana de Camelot, era uma louca, gostosa, traidora, bruxa, mulher, linda, cheia de artimanhas, gostosa, perigosa (eu já falei que ela era gostosa?).

A Morgana da atriz Eva Green era fantástica. O Merlin, vivido pelo ator Joseph Fiennes era enigmático, misterioso, cheio de segredos, sempre escondendo que poderia prever os acontecimentos.

Assim como haviam duvidas de onde nasceu e quando, pois em alguns momentos deu-se a impressão que ele tinha mais de duzentos anos. Infelizmente a série acabou do nada.

Segundo os realizadores, com audiência baixa e custo alto, além da ampla rejeição do ator que fazia o Reit Artur, sem carisma e chato, Jamie Campbell Bower.

Em alguns momentos foi preciso parar a correria e explicar para onde a trama estava seguindo. O publico não entendeu e achou alguns capítulos sem emoção e chatos.

E tai uma regra que deveriam ter seguido dos bons livros que acabam virando gerações e sempre serão lidos, explicou-se demais.

Os autores da série, que aliás eram os mesmo dos Tudors, deveriam ter lido Dom Casmurro, de Machado de Assis, e descoberto Capitu e sua suposta traição (eu juro de pés juntos que ela não traiu… mas até que poderia ser, havia alguns indícios, e tal…).

Paulo Sérgio Lários

Paulo Sérgio é Presbitero, tecnico de informática e escritor
Leia mais:
Fechar