A era tecnológica e seus efeitos nas relações humanas

Com o avanço da tecnologia, muitas coisas foram facilitadas. Hoje é possível fazer uma cirurgia sem cortes. Também foram desenvolvidos equipamentos que permitem pessoas tetraplégicas terem uma vida quase normal. O homem está cada vez mais perto de visitar o espaço. 

Todas essas maravilhas mostram a evolução da nossa espécie atestada por inventos cada vez mais extraordinários em todos os setores. No setor das relações humanas não foi diferente.

Os efeitos do avanço tecnológico

Hoje podemos falar com alguém que está do outro lado do mundo, em tempo real e com boa recepção de imagem e som, graças a serviços como Skype ou viber. Você precisa apenas ter um computador e uma conexão com a internet e pronto, está conectado ao mundo e o mundo a você. O que podemos concluir de todo esse avanço tecnológico no tocante ao relacionamento humano?

Antigamente, para matar a saudade e ter notícias escreviam-se cartinhas carinhosas de próprio punho e com letra elegante, que eram entregues pelo carteiro. 

Passava-se bastante tempo em reunião familiar, as refeições duravam uma eternidade com todos ao redor da mesa em saudável interação. Não havia novela, porque não havia ainda televisão, a diversão era algum jogo de tabuleiro ou a leitura de um bom livro, videogames ainda não existiam.

Na escola a hora do intervalo era pura diversão. Os meninos jogavam bola e as meninas executavam trabalhos manuais, como bordado, tricô ou crochê. Ninguém ficava olhando para o celular porque ele não existia. As amizades eram mais duradouras e, fazer deveres de casa na residência de amigos era comum e muito prazeroso.

Nos transportes coletivos era comum vermos as pessoas conversando, lendo ou apreciando a paisagem. Havia mais cordialidade e respeito pela comunicação e interação com as outras pessoas.

Coisas que mudaram nossa vida

era tecnológica

O tempo foi passando e as invenções foram aparecendo. O telefone encurtou distâncias e fez com que os recados fossem transmitidos em tempo real.

O fac-símile capaz de enviar e receber uma carta ou documentos de um local a outro por intermédio de uma máquina ligada em uma linha telefônica, com uma bobina de papel dentro.

Os aparelhos de televisão encurtaram os jantares e fizeram com que esposas e maridos cessassem as conversas na hora da novela ou do noticiário. Os filhos iam dormir mais cedo se o programa fosse considerado impróprio, nada mais de jogos de tabuleiro.

Os primeiros aparelhos celulares, enormes e pesados constituíram um marco na evolução humana, agora era possível falar com as pessoas em qualquer lugar que elas estivessem, mesmo que fosse andando na rua.

Os primeiros computadores eram maiores que uma geladeira, que funcionavam através de terminais remotos. Com o tempo, diminuíram de tamanho e chegaram as residências. Agora as cartas são enviadas por e-mail. A falta de prática na escrita transformou a letra elegante, em um garrancho ilegível.

Cada vez mais leves e funcionais os celulares, tornaram-se um motivo para não conversarmos com quem está do nosso lado no transporte coletivo e, também para não vermos quando entra alguém necessitado de um assento ou precisando que lhe segure os pacotes. A cordialidade desapareceu. Os fones de ouvido mostram claramente: não fale comigo !

Os namoros podem ser à distância e os encontros feitos através da webcam. Você pode namorar alguém que esteja em outro país e, porque não, uma pessoa em cada país já que, como não existe um contato propriamente dito não há traição.

O sexo também pode ser virtual e é até melhor porque assim não existe transmissão de doenças e, nem nascerão novos bebês. A perpetuação da espécie está ameaçada.

O desespero mudo de volta ás origens

No que vemos hoje em dia, o avanço tecnológico teve efeitos profundos nas relações humanas, e assistimos a busca pela volta a tempos antigos. Os maiores bestsellers contam romances épicos passados em eras medievais.

As novelas de época têm grande audiência em suas emissoras e, já vemos algumas cartas escritas à mão sendo entregues pelos carteiros, num desespero mudo de volta ás origens.

Aparelho celular, televisão, notebook, tablet, vídeo game são todos muito bons, mas nada é melhor que uma boa conversa olho no olho e, um abraço bem apertado da pessoa que amamos. 

Que possamos deixar a tecnologia de lado, de vez em quando, e façamos mais piqueniques com a família, que nossos filhos saibam o valor de uma amizade além do skype, e que esposas e maridos conversem mais vendo os filhos jogarem jogos de tabuleiro.

De tudo que foi dito, decidimos não abrir mão da era tecnológica e seus efeitos nas relações humanas, mas também devemos valorizar mais o contato humano, a interação intimista

Leia mais:
Fechar